Entrevista com Philippe Barcinski

barcinski1.jpg

Quem acompanha curta-metragens nacionais já se acostumou a ouvir falar do carioca, radicado em São Paulo, Philippe Barcinski. Principalmente depois de 2001, quando o cineasta fez Palindromo, que, com uma narrativa bem inusitada, chamou a atenção de muita gente. Para quem ainda não o conhece, porém, o lançamento de seu primeiro longa-metragem, Não Por Acaso, é uma forma de começar a acompanhar sua carreira.

Tudo começou quando Philippe ganhou a Bolsa Vitae de Apoio às Artes para começar o roteiro do longa, com a ajuda de sua mulher, Fabiana Werneck Barcinski, e de Eugênio Puppo. Para um cineasta acostumado com pouco tempo, a dificuldade foi “não fazer um curta de 90 minutos”, disse. Apenas o jogo de linguagem, que ele já estava acostumado, não era o bastante, visto que em um longa, “pode se fazer a experimentação que quiser, mas precisa de um desenvolvimento dos personagens”, afirma ele. Por isso, o roteiro demorou cerca de cinco anos para “achar a sua equação temática e estética”, revela.[continua aqui]

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: