Arquivo para dezembro \06\UTC 2007

O Sobrevivente

osobrevivente.jpg

Apesar de ser mais reconhecido e bem-sucedido por seus filmes de ficção, o cineasta alemão Werner Herzog nunca decidiu qual seria o seu foco, este ou os documentários. Agora, com seu novo O Sobrevivente, ele une um pouco mais os dois gêneros, ao refilmar com Christian Bale, a história que já havia tratado em Little Dieter Needs to Fly, há dez anos. Tanto na versão de ficção, quanto no documentário, Herzog foi ao limite para dar veracidade aos fatos.

A história real de Dieter Dengler acontece em 1966, quando ele, então com apenas 18 anos, se alista para ser piloto da marinha americana durante a Guerra do Vietnã. Em uma missão mal-sucedida, ele cai em meio à selva do Laos, cercado de soldados inimigos, tendo de fazer de tudo para sobreviver. Sua fuga não dura muito, já que logo é capturado e levado a um campo de concentração onde já estavam alguns outros prisioneiros americanos. Mais do que sobreviver aos destratos do local, o grupo terá que lutar para manter o que resta de sua sanidade.

Ao fazer Little Dieter, com o próprio protagonista dos acontecimentos, 30 anos depois, Herzog já demonstra sua vontade em atingir o limite das cenas. O diretor chegava a obrigar Dengler a reencenar algumas lembranças traumáticas daquele tempo. Em O Sobrevivente, isto não muda, apenas a vítima do cineasta que se torna Christian Bale. Não só o personagem da ficção, mas o personagem real e o próprio ator podem ser considerados sobreviventes ao trabalhar com o excêntrico alemão.

Nas cenas, percebemos que Bale foi obrigado a comer vermes vivos, a ter sua pele coberta por sanguessugas, além de ter que emagrecer de forma assustadora para viver a segunda fase do personagem. A dieta, aliás, não é novidade para o ator, que já havia feito coisa parecida em O Maquinista, com quase tanto elogio como agora. Porém, desta vez a atuação foi mais aclamada, principalmente pelo empenho de Herzog em testar o astro. Não é de se assustar, já que em seu último filme, O Homem Urso, o diretor apresenta um antropólogo que é morto pelo animal que estava estudando.

O Sobrevivente foi desqualificado por parte da crítica, por ser considerado muito lento e arrastado. Talvez, no entanto, este possa ser seu grande trunfo, já que é um filme que trata do limite, antes de qualquer coisa. O limite do personagem em tentar sobreviver à prisão numa terra distante; do ator, ao se submeter ao rigor excessivo de um cineasta obcecado; do diretor, que precisa fazer a ficção se sobrepor aos fatos, tornando o filme mais contundente do que o documentário; então também da platéia, ao acompanhar tudo de sua confortável poltrona.

%d blogueiros gostam disto: