Wall-E

É cada vez mais difícil acreditar que a Disney segue sua linha de fazer filmes para crianças. Pode ser que sejam filmes com uma moral, mas ultimamente eles andam explorando temas bastante adultos. O novo, Wall-E, segue este caminho e sua mensagem chega a ser até um pouco indigesta para alguns adultos. Para os menores, pode ser que ele não consiga expor de uma forma muito clara o que pretende, principalmente pelo carisma das figuras presentes, mas mesmo assim deve causar alguns questionamentos.

A animação fala sobre um solitário robô da linha Wall-E (Waste Allocation Load Lifters – Earth Class, ou simplesmente Levantadores de Carga e Distribuição de Dejetos da Terra). Depois de mais de sete séculos largado pelos humanos, que decidiram sair do planeta por não suportar o acúmulo de lixo, o personagem resiste fazendo seu trabalho. Colecionando objetos deixados pelos ex-terráqueos, ele acaba criando uma memória afetiva, o que lhe dá um pouco de humanidade.

Contando apenas com a companhia de uma barata, ele sente a solidão apertar cada dia mais. É quando chega uma nave que traz um novo robô à Terra, Eva, programada para explorar o local e tentar achar alguma forma de vida por aqui. Apesar de ter um temperamento um pouco explosivo, ela logo se torna alvo da paixão de Wall-E. Quando ela precisa ir embora, ele larga seu ofício, mesmo que ele seja apenas um robô programado, e decide ir atrás de seu verdadeiro amor.

Até então, mesmo com a lição ecologicamente correta, de que se não cuidarmos do nosso lixo precisaremos fugir do planeta, pode ser considerada uma típica narrativa infantil, com uma comédia romântica. A questão é quando os humanos aparecem no filme. Acostumados a usar o computador para tudo o que precisa, inclusive para se comunicar e para amar, os homens e mulheres de 2700 se tornam totalmente dependentes da máquina, chegando a nem mesmo saberem mais como se anda, sem ser com uma cadeira flutuante.

De fato, não é incomum nos cinemas este embate do homem versus máquina, que ocorre na animação. O filme, que pode ser encarado como um Inteligência Artificial que se encontra com 2001 – Uma Odisséia no Espaço nas terras de Matrix, se torna ainda mais reflexivo por não ser complacente com os seres humanos, como os dois últimos. Mesmo que infantil, a animação é dura ao mostrar que a máquina não tem culpa nenhuma da degeneração do homem, mas que apenas este é o responsável.

Claro que é possível fazer uma leitura bastante simplista do longa. Afinal, a função de um blockbuster, como este pretende ser, e é, é a de ser simples o suficiente para ser entendido por qualquer um, mesmo que tenha alguma profundidade para ser apreciado pelos mais exigentes. Independente se encarado como um filme infantil, um grande blockbuster, ou um tapa na cara da humanidade, Wall-E é muito eficaz no que propõe, e não é difícil dizer que a Disney, junto à Pixar, colocou nos cinemas um dos melhores filmes do ano.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: