O Concerto (Le Concert)

Muitos filmes sobre superação já foram feitos e ainda estão por vir. Desta vez foi o diretor romeno Radu Mihaileanu quem decidiu contar a história de um homem que passa por cima de seus problemas do passado para atingir um grande objetivo. A trama, contada em O Concerto – que foi indicado ao Globo de Ouro de melhor filme em língua não-inglesa –, segue com a marca registrada do diretor, que chamou a atenção com o seu Trem da Vida, em 1998.

Se dez anos antes ele contou a história de uma aldeia judia da Alemanha nazista que simula estarem sendo levados por soldados para um campo de concentração, desta vez a trama é mais leve. Andrey Filipov é um simples faxineiro da orquestra Bolshoi, na Rússia, que sonha um dia poder conduzir os músicos. Seu desejo, no entanto, não é tão inverossímil, já que ele ocupava o posto de maestro 30 anos antes e foi destituído pelos comunistas por permitir artistas judeus e ciganos no conjunto, além de realizar um concerto tocando Tchaikovsky, o que não foi bem visto pelo sistema naquela ocasião.

Trabalhando na limpeza do local, ele tem acesso a um fax de um empresário francês que quer contratar a orquestra para um grande concerto em Paris. Andrey então vê o convite como a oportunidade de reunir seus músicos e voltar a brilhar à frente do Bolshoi, que já não tem mais tanto prestígio. Sem conhecimento dos verdadeiros responsáveis, ele batalha para realizar seu sonho e, com isso, faz um mergulho no passado que vai afetar não apenas a sua vida, como a de outras pessoas.

Se a história não é tão original, o destaque vem pela leveza cômica aliada ao forte teor emocional empregados por Radu. O humor judeu que o diretor já havia mencionado em seu filme de 1998, está aqui bastante presente. Enquanto busca a disciplina de uma orquestra, o maestro apenas encontra músicos atrapalhados, que estão mais interessados na chance de conhecer Paris, ou nos negócios que poderão fazer por lá. Como o exemplo do pai e filho que, em vez de irem à apresentação que estão convocados, preferem sair pela cidade vendendo bugigangas que trouxeram nas bagagens.

O Concerto pode não ser um primor de originalidade, mas a leveza do filme compensa os momentos em que o espectador passa no escuro do cinema. Se já não bastasse o humor da trama, ainda há um elemento que pode chamar bastante a atenção, a presença da atriz Mélanie Laurent, conhecida principalmente como a Shossana de Bastardos Inglórios. Desta vez, ela não participa de nenhum ato heroico, mas ajuda que sejam vencidos os obstáculos para se ter um bom longa metragem.

O Concerto (Le Concert, 2009, França, Romenia, Russia)
Direção:
Radu Mihaileanu
Roteiro: Radu Mihaileanu
Elenco: Mélanie Laurent, Aleksey Guskov e Dmitri Nazarov
119 Minutos

    • Marie Cavroé
    • 15 janeiro, 2011

    j aimais bien de savoir le nom de l”artiste qui joue le violon dans le film “Concert”.
    le concert de Tchaikovski
    merci bien

      • Ravi Santana
      • 16 janeiro, 2011

      A atriz que toca é a Mélanie Laurent.
      Não sei se é esta que se refere.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: