Biutiful

Se em Babel, o diretor Alejandro González Iñarritu precisou viajar por diversos países para mostrar a diversidade e o mundo cão, em Biutiful ele não precisa sair de Barcelona, na Espanha. Sem o seu parceiro dos sucessos anteriores, o roteirista Guillermo Arriaga, o cineasta também deixa de lado uma de suas marcas registradas, as tramas paralelas, e constrói um roteiro coeso e emocionante em torno de Uxbal, personagem vivido brilhantemente por Javier Bardem.

Com a sensibilidade de falar com os mortos – que coloca o filme na lista das tantas obras espíritas que estão aparecendo no último ano no Brasil e no mundo, como a última obra de Clint Eastwood, Além da Vida – Uxbal respeita a vida e a morte por saber o que se passa do outro lado. Mesmo assim, vive à margem da sociedade, ajudando imigrantes asiáticos e africanos a conseguirem trabalhar ilegalmente naquele país. A responsabilidade de ter tantas vidas – e mortes – em suas mãos, no entanto, não lhe confere uma existência confortável.

Pai de Ana (Hanaa Bouchaib) e Mateo (Guillermo Estrella), Uxbal precisa cuidar sozinho das crianças, já que Marambra (Maricel Álvarez), mãe deles, é viciada em drogas e sofre de transtorno bipolar. A ligação e a preocupação com os filhos é ainda maior porque ele nunca chegou a conhecer seu próprio pai, morto antes de seu nascimento, e sequer se lembra do rosto de sua mãe, que morreu quando ele tinha a idade de Ana, a filha mais velha.

Vida e morte sempre rodeiam o personagem, seja nas poucas vezes em que se comunica com aqueles que já se foram, através de sessões mediúnicas em velórios, para garantir alguns trocados a mais, seja em suas relações pessoais com os que ainda estão aqui na Terra. Durante quase duas horas e meia de filme, o espectador é convidado a partilhar dos dramas e sentimentos do personagem que erra quase sempre, mas que mostra em seus atos ser dotado de um bom coração e ótimas intenções.

Mais do que o roteiro esplêndido e as opções acertadas na direção de Iñarritu, as atuações também são um ponto forte de Biutiful, principalmente a de Javier Bardem, que mais uma vez mostra nas telas que é um dos maiores atores hoje no mundo. Uma cena decisiva, quando é confrontado pela filha de 10 anos, no banheiro, para que revele seu grande segredo que esconde de todos, já mostra a força da atuação da Bardem, que levou o prêmio de melhor ator em Cannes, e coloca o filme dentre os melhores realizados no último ano.

Se Iñarritu ganhou fama e respeito com a parceria de Arriaga mostrando com suas tramas paralelas a diversidade do mundo pós-moderno. O diretor cresce neste trabalho ao deixar de lado esta opção e se concentrar em apenas um drama único. Apesar de focar sua história em Uxbal, um personagem grande e forte, o cineasta consegue realizar seu desejo de apresentar um mundo inteiro mais do que em suas obras anteriores. Quando todo um mundo se concentra nas costas de uma só pessoa, a Babel em que vivemos se mostra muito mais clara.

Biutiful (2010, México/Espanha)
Direção:
Alejandro González Iñárritu
Roteiro: Alejandro González Iñárritu e Armando Bo
Elenco: Javier Bardem, Maricel Álvarez e Hanaa Bouchaib
147 Minutos

    • Juliana Couto
    • 26 janeiro, 2011

    Ravi, ótima crítica. Gosto muito da direção do Iñarritu e das escolhas que ele faz no roteiro, na trilha, no silêncio, no ângulo. Pensando na experiência do filme, Biutiful foi bem mais tocante para mim do que Babel. Entrelaçar e rodar o mundo com histórias paralelas retrata essa carga de histórias, mas Uxbal está muito bem construído, como todos ao redor dele. Bom, gostei bastante até pela semelhança com algumas histórias da minha vida, mas o filme é imperdível. =) Beijão.

      • Ravi Santana
      • 1 fevereiro, 2011

      Ju, também gostei bem mais desse do que dos anteriores por centrar num só personagem. Alias, nem gostava do Iñarritu antes, mas agora me rendo de que ele é bom. Só fiquei curioso com as semelhanças com sua vida… rs beijos

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: