A Árvore da Vida (The Tree of Life)

Até onde é possível ir para entender melhor a sua própria relação com a vida? Para o cineasta norte-americano Terrence Malick, se pode ir muito longe. Conhecido por ser um diretor recluso e perfeccionista, Malick foi o grande vencedor da Palma de Ouro em Cannes por A Árvore da Vida, seu quinto longa-metragem em uma carreira de quase quarenta anos. Mais do que apenas mais um filme, este, estrelado por Brad Pitt e Sean Penn, é o trabalho mais pessoal e bem realizado do diretor, e sem dúvida uma obra que deve ficar entre os maiores já feitos na história do cinema.

Sean Penn é Jack, um arquiteto de meia idade ainda atormentado pela relação de amor e ódio com o pai e com um acontecimento na juventude que marcou a história de toda a família. Mr. O´Brien, o pai, vivido por Brad Pitt, nunca foi um homem afetuoso. Na ânsia por dar um futuro glorioso aos seus três filhos, ele sempre prefere o rigor e a força, ao carinho. Resta então às crianças o suporte da mãe, uma mulher submissa, mas capaz de encontrar forças onde for para proteger e reconfortar os meninos, a quem ama incondicionalmente.

Nada fica muito óbvio durante as mais de duas horas de projeção, mas a profundidade das cenas mostram que a carga emotiva do filme pode falar muito mais ao espectador do que um roteiro simples, com começo, meio e fim. Não existe tempo em A Árvore da Vida, Malick vai muito além da cronologia para contar esta relação entre pai e filho, que começa quando a mãe ainda é uma menina e vai muito mais longe do que qualquer outro cineasta ousou chegar. Se quando Terrence começava a carreira, o mundo do cinema ainda estava deslumbrado pelo trabalho de Stanley Kubrick em 2001: Uma Odisseia no Espaço, desta vez é ele quem chama a atenção com sua odisseia na vida.

A odisseia, aliás, não é apenas de seu personagem, mas do próprio diretor. Se o intuito de Mallick era fazer um filme que explorasse o ser humano, nada melhor do que usar a si como centro desta história. Mais do que Jack, Sean Penn é Terrence Mallick nesta obra. Filho mais velho de três irmãos, o cineasta sempre sofreu a culpa de ter aproveitado os privilégios de ser o primogênito, mas ter falhado no momento em que um de seus irmãos mais precisou. Estudante de violão, o jovem Larry Mallick foi à Europa ter aulas com um rigoroso professor. Sem suportar a pressão, ele se mutilou. O pai pediu que Terrence fosse buscá-lo, mas o diretor se negou. Larry se matou logo em seguida. Este episódio é um dos pontos de partida de A Árvore da Vida.

Não é fácil, no entanto, para o cineasta entrar em contato com a história. Consumido pela culpa desde que aconteceu, em 1968, Mallick busca elementos para expôr isto nas telas. Desde seus primeiros trabalhos no cinema, ele deseja fazer um filme sobre a origem da vida. O diretor então achou que o momento ideal para isso seria justamente neste longa, em que fala sobre a sua própria vida. Conhecido por colocar nas telas cenas de uma beleza plástica grandiosa, Terrence deixa os espectadores desta vez deslumbrados com o que ele é capaz de criar.

Se a obra não é completa do ponto de vista do cinema clássico, isto faz com que haja um maior leque de possibilidades de entendimento do filme. O menino Jack, mais do que apenas estar se relacionando com o seu pai e mãe, está também entrando em contato com seu próprio instinto, com a violência existente nos seres vivos desde o início da vida; e o adulto Jack sabe disso, e sabe que se tornou apenas uma cópia moderna do próprio pai. Além disso, há uma luta constante na tela entre a ciência e a fé, duas instituições que sempre estão juntas, mas nunca deixarão de se confrontar.

Sem respostas, mas com diversos questionamentos, Terrence Mallick consegue um ótimo resultado em um filme que tenta desvendar esta misteriosa Árvore da Vida. Mantendo sua assinatura, com belas imagens, presença de astros no elenco, forte contato com a natureza e a narração tomando conta de boa parte do filme, o diretor não apenas não decepciona, mas se consolida ainda mais no hall dos grandes mestres da sétima arte.

Assista ao trailer:

A Árvore da Vida (The Tree of Life, 2011, EUA)
Direção:
Terrence Malick
Roteiro: Terrence Malick
Elenco: Brad Pitt, Sean Penn e Jessica Chastain
139 Minutos

  1. Me convenceu a assistir Ravi. Abs!

      • Ravi Santana
      • 13 agosto, 2011

      Vale MUITO a pena!

      abs

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: